Psicólogos em São Paulo

Como manter a sanidade mental na Quarentena

Usualmente, boa parte dos esforços das autoridades de saúde pública e dos veículos de comunicação durante as epidemias têm envolvido a compreensão dos efeitos físicos e biológicos da doença, revelando pouca, ou quase nenhuma, atenção às questões da saúde mental.¹

Não se pode minimizar as repercussões psicológicas que o cenário geral da pandemia causa sobre indivíduos em particular, grupos com características de vulnerabilidade específicas e a sociedade como um todo, visto que o impacto na saúde mental, muitas vezes, se torna um fator notavelmente limitante para que o próprio país supere uma crise como a da COVID-19.¹

Estudos têm sugerido que o medo de ser infectado por um vírus potencialmente fatal, de rápida disseminação, cujas origens, natureza e curso ainda são pouco conhecidos, acaba por afetar a sanidade mental de muitas pessoas.²

Sintomas de depressão, ansiedade e estresse diante da pandemia têm sido identificados na população geral e, em particular, nos profissionais da saúde.²

Ademais, casos de suicídio potencialmente ligados aos impactos psicológicos da COVID-19 também já foram reportados em alguns países.²

Em revisão de literatura sobre a quarentena, foi identificado que os efeitos negativos dessa medida incluem sintomas de estresse pós-traumático, confusão e raiva. Preocupações com a  escassez  de  suprimentos e as perdas financeiras também trazem consequências para a sanidade mental na quarentena.²

Ademais, evidências têm revelado que há maior risco de crianças e adolescentes sofrerem  violência quando escolas são fechadas por conta de emergências de saúde. Para mães, pais e demais cuidadores, o fato de estarem trabalhando remotamente ou mesmo impossibilitados de trabalhar, sem previsão sobre o tempo de duração dessa situação, tende a gerar estresse e medo, inclusive quanto às condições para subsistência da família, reduzindo a capacidade de tolerância e  aumentando o risco de violência contra crianças e adolescentes.²

Nota-se também o maior risco de violência contra mulheres nesse período, em que as vítimas  costumam  ficar  confinadas junto  aos  autores  da  violência e,  muitas  vezes,  não conseguem denunciar as agressões sofridas.²

Para manter a sanidade mental na quarentena podemos adotar estratégias para promoção de  bem-estar psicológico, a exemplo de medidas para organização da rotina de atividades diárias sob  condições seguras:

 Para  pessoas  que  experienciam  níveis  de  sofrimento  mais  severos  relacionados  à pandemia, intervenções psicológicas mais intensivas tendem a ser necessárias. 

 Marisa de Abreu

Psicóloga

CRP 06/29493

Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui

1 FARO, André et al. COVID-19 e saúde mental: a emergência do cuidado. Estudos de Psicologia (Campinas), v. 37, 2020.

2 SCHMIDT, Beatriz et al . Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estud. psicol. (Campinas), Campinas , v. 37, e200063, 2020 . 

Imprimir