Psicólogos em São Paulo

Qual é o melhor tratamento para esquizofrenia?

Das abordagens psicoterapêuticas propostas, a Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC) tem sido a mais estudada e desenvolvida, sendo recomendada em países como Inglaterra e Estados Unidos como terapia complementar aos Antipsicóticos no tratamento da Esquizofrenia crônica com sintomas positivos residuais².

Alguns estudos atribuem à Terapia Cognivo-Comportamental (TCC) eficácia ligeira a moderada no tratamento de sintomas positivos residuais em doentes com Esquizofrenia crónica. Mas de modo geral, considera-se que doentes descompensados ou em fase aguda não são indicados para TCC.

Por outro lado a eficácia da TCC não depende apenas do insight do doente, sendo que na presença de baixos níveis de insight se pode optar por estratégias da vertente mais comportamental, como técnicas de coping, especialmente úteis nas alucinações auditivas persistentes².

O medicamento, sem dúvida, é fundamental para controlar e evitar recaídas da enfermidade. Porém, é o tratamento psicossocial que vai contribuir para a reabilitação e um prognóstico melhor. Ou seja, o envolvimento da família e comunidade para a restauração do bem-estar da pessoa que teve diagnosticada a esquizofrenia é primordial³.

Para a alguns pacientes com esquizofrenia o tratamento domiciliar pode ser o mais recomendado, pois evita o afastamento do meio familiar- principalmente no início do tratamento³.

Marisa de Abreu Alves

Psicóloga

CRP 06/29493

Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui

1 MURRAY, Robin M. Mistakes I Have Made in My Research Career. Schizophrenia bulletin, v. 43, n. 2, p. 253-256, 2017.

2 THOMAS, N. et al.Cognitive Behavioural Therapy for Auditory Hallucinations: Effectiveness and Predictors of Outcome in a Specialist Clinic. Behav Cogn Psychother. 2011;39(2):129-38.

3 LOUZA NETO, Mario R. Manejo clínico do primeiro episódio psicótico. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo , v. 22,supl. 1,p. 45-46, Maio 2000.

Referência:

RODRIGUES, Daniela Marta. Esquizofrenia: abordagens terapêuticas não-farmacológicas. Março/2012. Dissertação- Mestrado Integrado em Medicina - Faculdade de Medicina, Universidade do Porto.

Imprimir