Para agendar sua consulta
entre em contato:
(11) 3262-0621 / (11) 99787-4512.

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Paulista) - Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 (Consolação) - (11) 3262-0621 - Envie Whatsapp (11) 99787-4512

Ser a "estepe"

Entrevista cedida para o portal Daqui Dali

Psicologo para falar sobre ser estepeMulheres que aceitam ser “estepe”

O que leva uma mulher a aceitar que seu namorado retome continuamente o relacionamento com a ex – colocando-a no papel de “estepe”

Psicóloga: Vejo toda uma cultura dizendo que as mulheres poderiam aceitar certas “mazelas” masculinas. Ainda hoje um homem que trai pode ser menos condenado por esta cultura se compararmos a reação social quando uma mulher trai. Une-se a isso a característica de algumas mulheres em acreditar, independente de ser verdade ou não, que um homem que traiu o fez por razões diversas que não exclui a possibilidade de manter o relacionamento. Outra crença comum feminina é que se um homem não está muito certo do amor que sente por ela, e por isso a traiu, poderia ser conquistado com sua presença e demonstrações de força e afeto.

É comum em algumas mulheres, no papel de “estepe” ouvir o parceiro e cuidar de todos os problemas dele?

Psicóloga: Algumas mulheres fazem isso. É possível que para algumas isso dê certo, e vamos entender “dar certo” como a manutenção de um relacionamento satisfatório para ambas as partes. Mas não seria mais interessante um relacionamento onde podemos cuidar e sermos cuidados, um relacionamento onde haja troca e cumplicidade?

Como reconhecer os sinais de que você está sendo o estepe de alguém?

Psicóloga: Alguns homens parece preferir manter relacionamentos nas “prateleiras”, ou seja, não assume compromisso mas também não deixa o relacionamento de vez. Gosta de criar esperança e de saber que assim que quiser tem alguém à mão. Este alguém seria a estepe. Pode ser interessante avaliar se o relacionamento tem a famosa “mão dupla” ou seja, você pode contar com ele tanto quanto ele pode contar com você. Veja se as expectativas são equivalentes e pode ser interessante não mentir para si mesma dizendo “eu é que não quero nada sério” quando isso não for verdade.

Como fazer para cortar esse tipo de relação?

Psicóloga: Talvez seja útil ampliar a visão e ver o que a prende a isso. Será que esta mulher acredita que é só isso que ela conseguirá? Será que este relacionamento está muito abaixo do que ela precisa? Ampliando a visão é possível dar um basta a relacionamentos que satisfazem as necessidades de apenas uma das partes. Caso não consiga sozinha um psicólogo poderá ajudar.

O homem é o culpado?

Psicóloga: Não sei se a palavra culpa se encaixa, acredito que todas as partes tem suas responsabilidades.

Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui

ImprimirEmail

psi2

Escolha aqui seu Psicólogo - Quanto custa a psicoterapia? - Informações gerais
Consulta com psicólogo - Agende aqui

*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.
Escolha aqui seu Psicólogo
Quanto custa a psicoterapia
Informações gerais
Consulta com psicólogo
Agende
aqui

AGENDE SUA CONSULTA

(11) 3262-0621 / Envie Whatsapp (11) 99787-4512

Unidade I

Rua Bela Cintra, 968
(Av. Paulista)

Unidade II

Rua Frei Caneca, 33
Centro - SP