Para agendar sua consulta
entre em contato:
(11) 3262-0621 / (11) 99787-4512.

Unidade I: Rua Bela Cintra, 968 (Paulista) - Unidade II: Rua Frei Caneca, 33 (Consolação) - (11) 3262-0621 - Envie Whatsapp (11) 99787-4512

Alguns fatos sobre a Síndrome do pânico

 

Numa visão psiquiátrica, acredita-se que a doença é causada por uma falha no sistema de neurotransmissores, independentemente de seu caráter psicológico ou psicossomático. Dessa forma, as informações recebidas através dos sentidos não seriam corretamente codificadas: é como se a mente fizesse uma leitura distorcida da realidade, disparando um alarme de grande perigo em situações que, psiquicamente, representam grande ameaça para o sujeito¹.

Para classificar-se em transtorno de pânico, os ataques devem ser recorrentes e não acontecerem isoladamente.

A Síndrome do pânico pode ou não ser acompanhada de agorafobia - o temor de se encontrar sozinho em lugares públicos sem uma saída rápida de fácil acesso, caso surja um ataque de pânico. Assim, a agorafobia seria como o medo de ter medo.

Silva² aponta dois estilos de personalidades que mais comumente apresentam a Síndrome do pânico e as divide da seguinte forma:

O primeiro estilo é composto por pessoas que teriam um “complexo de super-homem”: pessoas que sempre tentam dar conta de tudo, e geralmente são uma referência familiar. Parece não haver espaço para o prazer pessoal na vida de tais pessoas.

O segundo estilo de personalidade é complementar ao primeiro: pessoas que tendem a desenvolver vínculos de dependência. A responsabilidade das escolhas é vivida como algo pesado demais e são delegadas a um terceiro, um outro.

Uma reflexão apontada por uma psicanalista³ nos provoca: O atual cenário em que nos inserimos é colorido, muitas vezes de choque e pavor, de cenas de brutalidade, destruição e violência que provocam indignação, desilusão e impotência em todos aqueles que se posicionam contra a injustiça, contra a degradação e a depredação do ser humano.

O pânico nos traz a seguinte questão: como tornar tolerável a experiência do desamparo num mundo desamparado³?

Agende sua consulta >> Ligue no (11) 3262-0621 ou clique aqui

 

1 SISTI, Fernanda Cristina; GROMAN, Regina Maria Guisard. Pânico e angústia de separação. Pulsional: Revista de Psicanálise, p. 130-137, 2005.

2 SILVA, Ana Beatriz B. Silva. Mentes com medo: da Compreensão à Superação. São Paulo: Integrare Editora, 2006.

3 SANT'ANNA DE MENEZES, Lucianne. Pânico e desamparo na atualidade. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, v. 8, n. 2, 2005.

Referência

PEREIRA, M. E. C. Pânico e desamparo. São Paulo: Escuta, 1999.

psi2

Escolha aqui seu Psicólogo - Quanto custa a psicoterapia? - Informações gerais
Consulta com psicólogo - Agende aqui

*O material deste site é informativo, não substitui a terapia ou psicoterapia oferecida por um psicólogo.
Escolha aqui seu Psicólogo
Quanto custa a psicoterapia
Informações gerais
Consulta com psicólogo
Agende
aqui

AGENDE SUA CONSULTA

(11) 3262-0621 / Envie Whatsapp (11) 99787-4512

Unidade I

Rua Bela Cintra, 968
(Av. Paulista)

Unidade II

Rua Frei Caneca, 33
Centro - SP